RADIO RESTITUI


segunda-feira, 7 de setembro de 2015

O Drama dos Ateus. Por Mario Persona.

O Drama dos Ateus
Por Mario Persona.

 “Deus pôs no coração do homem o anseio pela eternidade” 
(Ec 3:11 NVI)

Téo significa Deus.
Teologia é o estudo sobre Deus.
Ateu significa: Anti Téo ou Anti-Deus.

1) Deus pôs a eternidade no coração do homem.

"Não costumo perder muito tempo com ateus, uma porque a Bíblia diz que Deus “pôs no coração do homem o anseio pela eternidade” (Ec 3:11 NVI), outra porque “os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos” (Sl 19:1), e também porque “o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou. Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se veem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis; porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos.” (Rm 1:19-22). 

Ou seja, o Deus que é onibenevolente providenciou para que até mesmo os ateus tivessem conhecimento dele, e sendo onisciente, sabe que cada ateu tem esse conhecimento, ainda que reconheça isso apenas quando põe a cabeça no travesseiro."


2) Os ateus não querem crer.

"Portanto, o problema com ateus é que eles NÃO QUEREM crer. O problema deles não é por não terem evidências para crer. O problema deles é de vontade. 

Ao julgar Jesus como mau por não ter feito vista grossa para a rejeição de seus opositores, o incrédulo ateu aponta o dedo acusador para o próprio peito."


3) O ateu e o país imaginário.

"Tenho certeza que um ateu não gostaria de morar num país onde as autoridades fizessem vista grossa para o crime e as pessoas pudessem fazer o que bem entendessem, sem sofrerem qualquer tipo de penalidade. 

Nesse país imaginário um ateu as pessoas deveriam simplesmente fazer de conta que estava tudo bem e abraçar forte o assaltante quando este apontasse a faca para o peito de sua vítima. 

Não, nem mesmo um ateu iria querer viver em um país assim onde o mal fosse chamado de bem. Ele chamaria a polícia se alguém invadisse sua casa, sem saber que foi Deus quem delegou autoridade à polícia para agir e até matar um bandido que ameaçasse a vida das pessoas."


4) O poder de Jesus.

"Um ateu não percebe que aquele Jesus, que andou aqui tão humilde, e ao mesmo tempo tinha o poder de estancar uma tempestade, multiplicar os pães e ler o pensamento das pessoas, além de curá-las de toda enfermidade."

"Jesus foi invejado e perseguido pelos fariseus. Jesus poderia ter transformado aqueles fariseus em cinzas com uma só palavra. Sim, a mesma palavra que teve o poder de trazer os mundos à existência a partir do nada é a que um dia reduzirá a nada os céus e a terra que agora existem."


5) Ele veio para salvar e não condenar.

"Mas não era nesse caráter que Jesus veio. Ele não veio para condenar, mas para salvar, e não levou em conta os pecados daqueles seus opositores enquanto andou aqui. 

“Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados, e pôs em nós [os crentes] a palavra da reconciliação” (2 Co 5:19).  


6) Ele voltará como Juiz e Rei dos reis.

Mas Jesus voltará, aí sim sem misericórdia, e naquela aparência terrível em que ele aparece no livro de Apocalipse. Ele virá para julgar os incrédulos,inclusive, os ateus.


7) Deus é onibenevolente.(O único que realmente é bom)

"Aí entra a questão do mal: Se Deus é onibenevolente, (O único que realmente é bom), de onde vem o mal? Se Deus é onisciente, por que não previu que o mal entraria na Criação?E se Deus é onipotente, por que não cortou o mal pela raiz e ainda permite que ele prevaleça no mundo?"

São estas as perguntas dos ateus.sim ou não?


7.1) Aylan Kurdi.

"Por que um Deus onibenevolente teria deixado morrer afogado um menino como Aylan Kurdi, de 3 anos, que se transformou em símbolo da catástrofe humanitária gerada pela violência dos radicais islâmicos e pela relutância dos países europeus em receber os refugiados."

"Para mim a questão é facilmente resolvida para quem crê na absoluta onibelevolência, onisciência e onipotência de Deus, e também na soberania da sua vontade e perfeição dos seus desígnios, e também na absoluta incapacidade do homem pecador em entender os desígnios de Deus. Ou seja, a criatura que se coloca no seu devido lugar não irá questionar o modo de Deus agir porque entende que as razões de Deus estão muito acima de nossa vã compreensão."


8) Deus não criou o mal na sua essência.

"Deus não criou o mal na sua essência, porque ele é onibenevolente. O mal foi inaugurado por Satanás, um querubim que se encheu de orgulho e quis ser igual a Deus. À sua semelhança, os primeiros seres humanos também quiseram ser iguais a Deus, motivados por Satanás, a serpente do Jardim, para assim se verem livres de Deus como seu amigo gosta de pensar que está"

8.1) "Mas como Deus teria criado seres com essa possibilidade de pecar? Por uma razão muito simples: Você fabricaria um carro cuja direção só pudesse virar para a direita? Então Deus criou os seres livres e perfeitos dentro de seus devidos contextos, e isso incluía a capacidade de decidir. Deus não criou robôs pré-programados para apenas adorarem a Deus. Por isso hoje ele procura aqueles que espontaneamente queiram adorá-lo, como ele mostrou à mulher samaritana em João 4."


9) A bondade de Deus.

"A bondade de Deus deve ser  experimentada, mas para isso é preciso primeiro crer na Palavra de Deus. O incrédulo é inescusável nessa condição, assim como eu e você já fomos, porque acaba se condenando naquilo mesmo em que julga os outros. Ao julgar a Deus das razões de Cristo ter deixado de lado os fariseus não convencidos de seu pecado, para cuidar de pecadores convictos, o incrédulo acaba apontando o dedo da acusação contra o próprio peito, porque ele também chamaria a polícia se bandidos entrassem em sua casa para estuprarem sua esposa e filha. Ele não iria dar as boas-vindas a eles e servir uísque para os bandidos se sentirem à vontade em sua farra.


9.1) Um ateu pode julgar a Deus?

"Como julgar Alguém que nem espera encontrar?"

"O ateu e o incrédulo acabam desprezando justamente aquilo que ele diz que Deus não tem: "as riquezas da sua benignidade, e paciência e longanimidade, ignorando que a bondade de Deus" é o que o conduz ao arrependimento. Então, segundo a sua dureza e seu coração impenitente, o incrédulo entesoura ou acumula ira para si mesmo no dia da ira e da manifestação do juízo de Deus, "que recompensará cada um segundo as suas obras; a saber: a vida eterna aos que, com perseverança em fazer bem, procuram glória, honra e incorrupção; mas indignação e a ira aos que são contenciosos, desobedientes à verdade e obedientes à iniquidade; tribulação e angústia sobre toda a alma do homem que faz ao mal... glória e honra e paz a qualquer que pratica o bem... porque para com Deus não há acepção de pessoas" (Rm 2:1-11).


10) Jesus e os incrédulos.

Jesus disse, a respeito dos incrédulos: “Por isso lhes falo por parábolas; porque eles, vendo, não veem; e, ouvindo, não ouvem nem compreendem.” (Mt 13:13). Ele disse isso apenas aos que creram nele, que é a condição inicial para aceitarmos pela fé as razões de Deus, mesmo as que não compreendemos.

por Mario Persona 
www.mariopersona.com.br

Postar um comentário