RADIO RESTITUI


segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Vencendo os desertos da vida

Vencendo os desertos da vida

Texto Is. 43.16-21

V.16 Caminho nas águas violentas...

Eis que porei um caminho no deserto

1) Introdução.

Todo pessoa que existe nesta terra tem que escrever uma historia e deixar uma memória.

Isso inclue você e sua família.

Grandes historias são precedidas e recheadas de grandes dificuldades.

As lutas e dificuldades são o aço estrutural da formação de seu caráter.

Todo vencedor será invejado e temido.

Quem muito lhe odeia ou lhe persegue ou deseja ser você ou quer o que você tem. Deus não lhe poupara de dificuldades porque elas forjam caráter e moldam campeões.

2) Jesus sofreu...

Este princípio valeu ate para Jesus. (Hb.2.10,18) Ler.

V.10 aperfeiçoasse por meio de sofrimento autor da salvação...

Sem sofrimento não há aperfeiçoamento.

Não estou implantando o rigor asceta.

E no calabouço que construímos a estrada do trono.

Não trono sem cruz.

Não há vitória sem Getsemanai. (Lugar da prensa)

Azeitona so libera azeite quando e prensada.

So e útil na cozinha depois de 5 anos de conserva do contrario amarga.

Só quem venceu a tentação pode socorrer os que estão sendo tentados.

Só quem já chorou pode consolar os que choram.

Só quem já foi traído pode entender a dor da traição.

Quem já venceu desertos pode guiar e socorrer os que la estão.

3) Desertos fazem parte da vida e das emoções do ser humano.

Todo ser humano enfrenta deserto!

Desertos são: Dificuldades, desânimos, vazio emocional e espiritual, sequidão, aridez etc...

Nesse exato momento milhões estão em prantos, desesperados, por suas faces escorrem dor, dos seus lábios ecoam rangidos sofridos, seus joelhos estão dobrados em súplica. Não sei em que grupo você se encontra, possivelmente, no segundo, por isso o título desse texto chamou sua atenção.

Eu o escrevo porque sei também como é estar curvado pela aflição, mas, há algo sobre a dor que precisa ser dito, por isso, resolvi escrever esse artigo, me sinto impulsionada, por DEUS, a fazê-lo. Ninguém sofre à toa, há uma razão por trás de cada padecimento – uma lição a ser aprendida... um erro a ser confessado e consertado... uma missão a ser desencadeada... aspectos no nosso temperamento ou caráter que precisam ser fortalecidos ou extirpados...

a fé que precisa ser testada para enrijecer... Não sei o que você precisa enxergar com sua dor Descubra! Mas, tem algo mais a ser descoberto - você tem que aprender sobre DEUS. A dor é um lugar difícil para vislumbrar O SENHOR DAS MARAVILHAS com coerência e nitidez, contudo, é o melhor lugar para O procurar.

Dependendo da nossa disposição, O veremos com limpidez ou não, tudo depende do nosso coração, eis o desafio que a dor traz, se pendermos à arrogância de acusar DEUS de injusto, se sucumbirmos à tentação de exigir livramento por causa das nossas “virtudes”, nos afundaremos ainda mais na masmorra da dor, nos entrevaremos na amargura levados pela rebeldia insana. Mas, se nos reconhecemos como miseráveis, como indignos, como errantes e débeis, exatamente como o fizeram o centurião de Mt 8:5, o publicano de Lc 18:13, o filho pródigo arrependido de Lc 15:21, a mulher doente de Mt 9:20, então, estamos aptos a tocar nas vestes do SENHOR e encontrar SUA misericórdia, como estes encontraram. Somente dessa forma nos habilitamos a escutar SUAS PROMESSA.

Nos habilitamos a atravessar o nosso deserto. O deserto não vai se transformar num jardim, nunca.

O jardim está ALÉM do deserto.

Deserto é deserto, é frio, é inóspito, mas, não é estéril se aprendemos o que temos que aprender na travessia, se nos despirmos da presunção, se reconhecermos nossa pequenez e se gritarmos por DEUS admitirmos nossa dependência absoluta DELE, se, rendidos ao pó do solo árido, esperamos SUA voz, A escutaremos, e seremos levados por ELE.

No deserto há um oásis chamado ESPERANÇA, é nesse lugar que bebemos a Água e comemos o Pão, é ali que O ouvimos e O vemos com clareza, e somos convidados a aprender que esse DEUS pode tudo, que é ilimitado SEU poder, que é incalculável SUA sabedoria, que é insaciável sua FIDELIDADE. Em todo deserto há esse lugar onde, nus, ensangüentados, semi-mortos, encontramos um conforto sobrenatural, a dor não passa.

Desertos são finitos

Não eternize desertos.

Os suicidas eternizaram o deserto

o deserto está ali nos cercando, as lágrimas vertem de nossos corações e continuam inchando nossos olhos sem brilho, mas, ali está ELE á nossa frente, No NO deserto podemos distingui-LO, ELE nos chama pelo nome, ELE sabe da tua dor, ELE está aqui diante de você e de mim no meio dos nossos desertos, ELE se abaixa até nós, nos coloca no SEU colo, fala do SEU AMOR por mim... por você.... e pede uma coisa – “CONFIA EM MIM!”. Esse que nos consola é AQUELE que abre os mares, que faz tremer as montanhas, que tem as estrelas e planetas sob SEU domínio, é AQUELE que dá ordem aos ventos, ELE é quem abre as tumbas. Sim, EU SEI, essa certeza não diminui a dor, não estanca as lágrimas, mas, se você chegou a este ponto, chegou a hora de aprender algo mais sobre paciência e espera.

EU SEI...EU SEI...são, provavelmente, as mais duras lições no meio de tantas que você teve que aprender nesse deserto, mas, lembre-se,

ELE está pedindo – “CONFIE EM MIM!”, não é qualquer um que está pedindo, é ELE, lembra do que ELE fez por nós na cruz? É AQUELE dos espinhos e dos cravos quem pede! Posso te falar por mim, eu resolvi confiar, confie também, eu confio em tudo que ELE me diz, eu confio que ELE realizará CADA UM DOS MILAGRES que ELE me promete, EU CONFIO NELE, me recuso, em nome do DEUS que amo e sirvo, a ser refém da desesperança. Não seja também.

Deus garante em sua palavra abrir caminho no deserto! V.18

Quase sempre ficamos de semblante caído no deserto.

3) Benefícios do deserto.

Corações provados. (Dt. 8.2,3, 15,16.

Sensibilidade. (Os. 2.14-16)

Dependência de milagres. (Is. 43.18) Águas no deserto...

4)Deus te chama hoje para cantar no deserto!

So será capaz de cantar no deserto aquele que tem promessa.

Aquele que sabe que Deus nunca dele se esquece.

Importante.

Em Deus temos autoridade para cada situação. (Fp. 4.13) Tudo posso!

Não importa o tamanho de seu problema e sim o seu tamanho diante dos problemas.

Tem gente que faz de um probleminha um problemao para os outros e para ele.

Já tem ate fama de problemático!

Outros enfrentam problemoes com força, garra energia, fé e coragem.

Conseguem edificar outros mesmo enfrentando duríssimos golpes.

Alguns olham uma montanha de baixo para cima.

Outros de cima para baixo.

Problemas e dificuldades são oportunidades de milagres.

Grandes milagres são precedidos de grandes desertos e dificuldades.

5)No deserto ficamos Cheio do Espírito Santo.

Lc. 4,1-19

Os grandes homens de Deus Abraão; Isaque e Jacó floresceram no deserto!

Isaque ouviu de Deus para ficar no deserto de Gerar. (Gn. 26)

Deus o mandou semear no deserto.

Às vezes Deus manda ficar no pior lugar para a partir dali nos prosperar.(Gn.26.12)GERAR

Isaque ficou no pior lugar e enriqueceu.

Lo ficou com o melhor lugar e terminou cativo!

6) Lugar de mudanças.

No deserto você só tem Deus

No deserto Deus opera mudanças.

(Moises era um assassino violento quando entrou no mesmo)

Ex.1.11,12 Matou egípcio

Nm. 12.3 O varão mais manso da terra

7) Uma nova postura no deserto.

Hoje Deus lhe chama para ser uma voz que clama no deserto. (Is. 40.3)

Não peca a morte no deserto!

Não amaldiçoe nele.

Todo mundo pode olhar para você e dizer:

Esta mal! Esta caído! Falido! E um derrotado.

Mas so você pode determinar se as sentenças que lançam sobre você sertão verdades.

Jesus continua contratando aqueles que ninguém da nada. (1 Co.1.26-29) Ler.

Um dia ele foi à praia da galileia e contratou aqueles que nada haviam pescado.

Nenhum dono de peixaria os contrataria naquele dia depois dos resultados pífios!

Chegou na pior noite de usa vida e os fez súditos de seu reino.

Mude agora a atmosfera de seu deserto.

No deserto as pequenas nuvens se transformem abundantes chuvas.

Jesus vai soprar aqui nesta noite sobre o seu deserto.

Lugar de infertilidade

João pregou no deserto, que segundo a profecia de Isaías 40:3-5, foi mal preparado para a chegada da glória do Senhor.

O deserto foi o lugar lógico para o trabalho de João porque simbolizava os corações do povo, corações secos e mortos. Ele veio para tirar as barreiras espirituais do povo que poderiam impedir a vinda do Messias. Foi uma tarefa formidável: "Todos os vales serão levantados, todos os montes e colinas serão aplanados; os terrenos acidentados se tornarão planos; as escarpas serão niveladas" (Isaías 40:4). Para realizar esta transformação João veio para este povo árido pregando arrependimento (Mateus 3:2, 7-10). O arrependimento em que João insistiu não era nada despreocupado, mas Pessoas hoje estão em situações parecidas e para qualquer pessoa estar preparada para Cristo na sua vida, tem que estar disposta a mudar sua vida em todo sentido.

Lugar de simplicidade

A vida de João combinava bem com o deserto em que habitava.

Ele usava roupas feitas de pêlos de camelo com um cinto de couro e se alimentava com gafanhotos e mel silvestre. Evidentemente, João não tinha outro alimento nem outra roupa à sua disposição no deserto.

É claro que João não valorizou nem bens, nem conforto, nem honra. Nós estaríamos dispostos a sermos chamados para o deserto? Diversos discípulos tiveram que passar por severas aflições; Paulo, por exemplo: "Até agora estamos passando fome, sede e necessidade de roupas, estamos sendo tratados brutalmente, não temos residência certa e trabalhamos arduamente com nossas próprias mãos....Até agora nos tornamos a escória da terra, o lixo do mundo" (1 Coríntios 4:11-13). O escritor de Hebreus cita outros exemplos: "Outros enfrentaram zombaria e açoites; outros ainda foram acorrentados e colocados na prisão, apedrejados, serrados ao meio, postos à prova, mortos ao fio da espada. Andaram errantes, vestidos de pele de ovelhas e de cabras, necessitados, afligidos e maltratados. O mundo não era digno deles. Vagaram pelos desertos e montes, pelas cavernas e grutas" (Hebreus 11:36-38). Nem todo servo de Deus sofre tudo isso na vida, mas para servir ao Senhor temos que estar dispostos a passar por severas tribulações, colocar as necessidades dos irmãos acima das próprias luxúrias (Lucas 3:11; 12:33; 14:33), colocar o reino acima de todas as coisas (Mateus 6:33; 8:20), e deixar de nos preocupar com questões de comida e roupa (Mateus 6:25-34; Lucas 10:7-8). A simplicidade de João no deserto serve como desafio para nós.

Lugar de libertação

Talvez a idéia do deserto esteja mais ligada com a idéia da libertação e da salvação do que com qualquer outra idéia. Lembramo-nos de como o Senhor soltou os israelitas das garras dos senhores egípcios e providenciou-lhes redenção no deserto: "O povo que escapou da morte achou favor no deserto" (Jeremias 31:2). Do mesmo jeito, nós, ao ficarmos libertados da escravidão do pecado, passamos para o deserto (Oséias 2:14; Apocalipse 12:6, 14). O deserto vem a simbolizar um lugar de salvação da servidão cruel. Que bênção! Infelizmente, a geração dos israelites reclamou do deserto. Repetidas vezes, os israelites se queixaram das dificuldades no caminho e queriam retornar à escravidão egípcia (veja Êxodo 14:11-12; 16:3; 17:3; Números 11:4-6; 14:1-4). Não fazia sentido que eles quisessem voltar para a angústia do Egito. Será que cristãos às vezes passam pelos mesmos sentimentos e almejam a vida que levavam antes de seguir Cristo, a vida do pecado? Quando olhamos para trás ou tentamos ficar com as coisas do passado arriscamos nossa alma: "Naquele dia, quem estiver no telhado de sua casa, não deve descer para apanhar os seus bens dentro de casa. Semelhantemente, quem estiver no campo, não deve voltar atrás por coisa alguma. Lembrem-se da mulher de Ló!" (Lucas 17:31-32).

Lugar de prova

Para Jesus, o deserto foi o lugar em que encontrou o Tentador e foi testado. Para os israelitas, o deserto foi o lugar de provação também. Os resultados eram totalmente opostos. Jesus derrotou Satanás em tudo. No caso dos israelitas, todos eles passaram pelo mar e participavam da alimentação providenciada por Deus no deserto; porém, "Deus não se agradou da maioria deles; por isso os seus corpos ficaram espalhados no deserto" (1 Coríntios 10:5). É uma lição forte, porque 603.550 homens saíram do Egito, mas apenas dois deles entraram na terra prometida! No deserto onde 99,99% dos israelitas fracassaram, Jesus venceu. Qual era a diferença? Jesus confiou no Senhor e na Palavra. Ele citou a escritura: "Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus" (Mateus 4:4; veja Deuteronômio 8:3), e mostrou a importância da palavra citando-a cada vez que o diabo se aproximou. Os israelitas, por causa da incredulidade causada por duro coração, caíram "durante o tempo da provação no deserto" (Hebreus 3:8). Como os israelitas, cristãos hoje passaram pelo mar do batismo e participam da ceia do Senhor. Há um sério perigo de que a mesma coisa aconteça hoje: "Essas coisas ocorreram como exemplos para nós ... Essas coisas aconteceram a eles como exemplos e foram escritas como advertência para nós" (1 Coríntios 10:6, 11). No deserto da provação, confiaremos na scritura e venceremos a tentação ou seremos autoconfiantes e cairemos?

Lugar de bênção

João, voz que clamava no deserto, anunciou Jesus como aquele que batiza com o Espírito Santo. Vários textos proféticos mostram uma visão do deserto transformado por Deus num lugar bem frutífero (Isaías 35:1, 6; 41:18-19; 43:19-21; 51:3). Especialmente interessantes são os trechos que ligam o novo vigor do deserto com a provisão do Espírito. "A fortaleza será abandonada, a cidade barulhenta ficará deserta ... até que sobre nós o Espírito seja derramado do alto, e o deserto se transforme em campo fértil, e o campo fértil pareça uma floresta" (Isaías 32:14-15). "Pois derramarei água na terra sedenta, e torrentes na terra seca; derramarei meu Espírito sobre sua prole, e minha bênção sobre seus descendentes" (Isaías 44:3). As maravilhosas bênçãos que estão disponíveis em Cristo vêm por causa do trabalho do Espírito Santo que tem sido derramado sobre o povo de Deus (Ezequiel 39:29).

Infelizmente, há muitos equívocos quando pessoas começam a tratar o assunto do Espírito Santo porque elas deixam de distinguir entre as várias responsabilidades do Espírito Santo e as épocas certas em que faz estas obras. Considere este paralelo: No primeiro século Jesus andou na terra em corpo humano, morreu na cruz e apareceu a várias pessoas após sua ressurreição. No século XXI, Jesus não faz nenhuma destas coisas. Mas Jesus ainda existe, opera nas vidas dos seus discípulos, e trabalha hoje. Pelo mesmo jeito, o Espírito Santo no primeiro século operou na vida de Jesus (Mateus 3:16; 12:18, 28), inspirou a autoria dos livros do Novo Testamento (1 Coríntios 2:13; 14:37), e deu dons especiais para várias pessoas (1 Coríntios 12-14). No século XXI, O Espírito Santo não faz nenhuma destas coisas. Mas o Espírito Santo ainda existe, opera nas vidas dos seus discípulos, e trabalha hoje.

Através de Ezequiel, o Senhor profetizou sobre nossa época dizendo: "Darei a vocês um coração novo e porei um espírito novo em vocês; tirarei de vocês o coração de pedra e lhes darei um coração de carne. Porei o meu Espírito em vocês e os levarei a agirem segundo os meus decretos e a obedecerem fielmente às minhas leis" (Ezequiel 36:26-27). Precisamos refletir para verificar que temos o Espírito do Senhor em nós. Nosso coração é macio e sensível à palavra de Deus, ou nossa receptividade à vontade do Senhor parece pedra--fria, dura e petrificada? Andamos nos decretos do Senhor; observamos fielmente as suas leis? Até que ponto o Espírito reside em nós? "...No qual todo o edifício é ajustado e cresce para tornar-se um santuário santo no Senhor. Nele vocês também estão sendo edificados juntos, para se tornarem morada de Deus por seu Espírito" (Efésios 2:21-22). Um cristão cresce para ser cada vez mais santuário do Senhor deixando a palavra do Espírito habitar cada vez mais ricamente no seu coração, dominar cada vez mais fortemente seu andar (Efésios 5:18; Colossenses 3:16), e produzir cada vez mais o fruto apropriado (Gálatas 5:22-23). Demonstramos a presença do Espírito em nós?

Temos muita coisa para aprender no deserto. Jesus conquistou o diabo ali e transformou a aridez em jardim. Aproveitamos esta bênção?

Postar um comentário